Temer decreta o fim da Ciência no Brasil, por Janio de Freitas

Foto: reprodução GGN
Foto: reprodução GGN

Jornal GGN

O tema desta quinta-feira do colunista da Folha, Janio de Freitas, é sobre o desmonte da Ciência logo depois do desmonte da Educação por decreto. Depois de muita luta para organizar o Ministério da Ciência e Tecnologia, o governo em questão soterra o trabalho criando um ministério que junta Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, uma salada de funções que vai impedir qualquer trabalho sério.

Na segunda parte do artigo, Janio de Freitas aborda a eleição dos neopentecostais. Crivella já tem levantado a crista para a criminalização do aborto e das drogas, além da pauta LGBTT. O não avançar vai sendo substituído pelo retroceder e isso por um candidato que ganhou do Psol mas perdeu para os votos brancos e nulos.

Além disso fala da vitória do PSDB, que se não levou votos viu a ascensão de partidos coligados, que o fortalecem no discurso e nas pautas.

Leia o artigo a seguir.

da Folha

Temer soterrou o Ministério da Ciência e agora ataca a ciência

por Janio de Freitas

1- Estar atualizado, no Brasil de hoje, é saudar o retrocesso. A rigor, nossos inovadores fazem mais do que retrocessos, querem ir, e vão, além de estágios degenerados do passado. Depois da “reforma do ensino” por medida provisória, uma e outra produzidas em cavernas não identificadas, o ataque volta-se contra a ciência e os cientistas.

Foram longas batalhas para criar e depois dar alguma organicidade ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Temer & associados, no entanto, depressa o soterraram sob um tal Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, uma salada de funções bastantes para impedir que qualquer uma seja cumprida.

Há pouco, deram seguimento à sua missão: a Academia Brasileira de Ciência, a Sociedade Brasileira de Biofísica, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, e outras entidades científicas, denunciam o comprometedor rebaixamento, na hierarquia do novo “ministério”, de numerosos conselhos, agências e comissões destinados a alicerçar as atividades científicas.

Afastar mais as instituições de ciência e a cúpula da administração impede a criação de uma política de meios e metas para a atividade científica, como parte de um (inexistente) projeto nacional. Além desse impedimento final, já o fluxo dos recursos primordiais está obstruído, com entidades apenas capazes de mal se manter, e vai piorar sob a compressão do pretendido “teto” de gastos.

2- Desde o final da apuração, Marcelo Crivella tem repetido que “o Rio se manifestou contra o aborto, a descriminalização das drogas e a discussão de gêneros” [sexuais]. É a sua maneira de dar por iniciado o retrocesso, a título de cantar um êxito que já foi chamado até de “avalanche!” na imprensa importante do Rio. Mas falta fundamento tanto às suas afirmações, como aos comentários impressionados com seu êxito e o que significaria.

A colaboração do PMDB a Crivella deveu-se, na verdade, à falta de alternativa de Eduardo Paes para o seu candidato inviável. Houve ainda a colaboração de Freixo, decorrente de sua insuficiência para o desafio a que se propôs. E, se alguém quiser discutir esses dois fatores, o terceiro é definitivo.

Como a soma de abstenções, votos brancos e nulos totalizou 46,93% dos eleitores, índice brutal e nada surpreendente para o desalento com os candidatos, Crivella e Freixo disputaram 53,07% do eleitorado. Metade, na prática dos eleitores. E Crivella foi votado só por pouco mais de metade daquela metade, ou 59,37% dos 53,07% votantes.

Logo, Crivella foi eleito por 31,5% do eleitorado carioca total. Dizer que o Rio se manifestou em tal ou qual sentido, na eleição em que esteve tão restringido nas possibilidades de escolha, não é só o início imediato de um programa de governo escamoteado na campanha. É, sobretudo, uma falácia. Como gesto inaugural, quase doloroso.

Já a vitória do PSDB foi maior do que o indicado pela aritmética das urnas e dos comentários. Não em termos eleitorais ou geográficos, mas políticos e ideológicos. Os êxitos do PPS e de parte do PSB fortalecem também o PSDB, do qual são como reboques.

Mas a tão cantada vitória peessedebista para a Prefeitura de Porto Alegre, a primeira, tem pouco ou nada a ver com o partido. Basta observar que o eleitorado de Porto Alegre elegeu apenas um vereador do PSDB. Mesmo elegendo o prefeito —evidente rejeição ao partido, por mais que lhe atribuam grande avanço gaúcho.

Texto publicado no GGN – http://jornalggn.com.br/noticia/temer-decreta-o-fim-da-ciencia-no-brasil-por-janio-de-freitas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s