Frentes coordenadas por Neder debatem o financiamento da Fapesp e a crise no Instituto Butantan

A situação orçamentária da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a crise no Instituto Butantan e o Marco Legal de Ciência e Tecnologia foram pauta da reunião conjunta da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Públicas no Estado de São Paulo e da Frente Parlamentar em Defesa dos Institutos de Pesquisa e Fundações Públicas de São Paulo realizada na quinta-feira (09/03), no plenário Dom Pedro I, da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

O evento teve como objetivo discutir temas referentes ao financiamento da pesquisa nos institutos estaduais e a situação financeira e econômica das universidades que atuam no Estado de São Paulo, a fim de planejar ações conjuntas das duas Frentes Parlamentares para buscar soluções consistentes aos problemas enfrentados por tais entidades públicas.

O primeiro ponto tratado no debate foi o caso da Fapesp. Durante a votação do orçamento na Alesp, em dezembro de 2016, foram retirados R$120 milhões da Fundação para serem aplicados nos institutos de pesquisa do estado. A justificativa da manobra de recursos era investir no funcionamentos dos institutos estaduais, que há anos carecem de mão de obra e recursos financeiros. Contudo, a medida aprovada pelo parlamento estadual gerou críticas tanto da comunidade científica quanto da direção Fapesp.

Segundo o presidente da Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (Apqc), Joaquim Adelino Filho, o principal problema dos institutos de pesquisa, no entanto, é a falta de recursos humanos. “Nosso quadro é de 2.419 pesquisadores, mas hoje temos apenas 1.350, ou seja, 44% de cargos vagos”, disse. O pesquisador acrescentou que tal situação impede o instituto de obter mais recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa, já que não há mão de obra suficiente para realizar e conduzir os projetos de estudo.

Diante de tal cenário, o deputado estadual Carlos Neder (PT), coordenador das duas Frentes Parlamentares, mostrou preocupação sobre o futuro do financiamento das pesquisas e a relação da Fapesp com as universidades públicas. O parlamentar propôs a realização de uma reunião com o presidente da Fundação, José Goldemberg, para discutir o papel da instituição, qual é o seu vinculo com as universidades públicas, sejam federais ou estaduais, e como ela pode contribuir os institutos de pesquisa.

Já sobre o caso do Butantan, devido às várias denúncias na imprensa, publicadas no inicio deste ano, que dão conta do desvio de recursos e supostas irregulares na Fundação e Instituto Butantan, o deputado Neder ressaltou a importância de ouvir o ex-diretor-presidente da Fundação Butantan, André Franco Montoro Filho, e o ex-diretor do Instituto Butantan, Jorge Kalil. Por ser um tema de interesse público, o parlamentar encaminhou requerimento à Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Informação da Assembleia Legislativa sugerindo convidar Montoro Filho para prestar esclarecimentos sobre o assunto e fazer uma avaliação da atual situação das instituições. A petição, encaminhada em 10 de fevereiro, aguarda aprovação pela Comissão, que é presidida pelo deputado Orlando Bolçone (PSB).

Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação

Na medida em que há uma nova legislação federal, determinada pela lei 13.243/2016, que estabelece uma nova regulação para a realização e incentivo à pesquisa científica e tecnológica em todo o país, se faz necessário adequar a legislação estadual ao marco nacional. Por se tratar de uma questão importante para a comunidade científica e a sociedade, a lei paulista de inovação será discutida no próximo dia 16 de março, às 10h, no plenário Dom Pedro I, da Alesp. O evento, promovido pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Informação da Alesp e as Frentes Parlamentares em Defesa das Universidades Públicas no Estado de São Paulo e em Defesa dos Institutos de Pesquisa e Fundações Públicas, tem como objetivo entender a situação deste novo marco legal em São Paulo e como isso afetará a organização do sistema estadual de ciência, tecnologia e inovação assim como a relação com os institutos de pesquisa e universidades. De acordo com Neder, ainda este ano, o Executivo encaminhará para Assembleia um projeto de lei que redefinirá a organização do sistema de tecnologia no Estado.

Outro assunto também abordado durante a reunião conjunta das Frentes coordenadas por Neder foi à situação econômica e financeira das universidades estaduais e municipais que atuam no Estado de São Paulo. O deputado Carlos Neder focou na questão da política de permanência e assistência estudantil e a situação dos hospitais de ensino. “Precisamos saber quanto à política de permanência estudantil tem onerado do orçamento de cada uma das universidades públicas e qual é a situação dos hospitais de ensino, já que tudo isso se reflete na qualidade da pesquisa e da assistência a população”, conclui Neder.

Além de pesquisadores do Instituto Florestal e da Apqc, a reunião contou com a presença do vice-coordenador da Frente Parlamentar pela Duplicação da SP-255, deputado Fernando Cury (PPS), e representantes, da Universidade Federal do ABC (UFABC), Marcela Ramos; do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Crounel Marins e da Universidade Estadual Paulista (Unesp), José Augusto Chaves Guimarães.

Publicado originalmente no site do deputado Carlos Neder, em 13 de março de 2017

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s